Acusado de atropelar e matar manobrista é condenado a pagar R$ 300 mil de indenização à filha da vítima

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

O jovem Juliano da Costa Marques Santos, acusado de atropelar e matar o manobrista José Antônio da Silva Alves dos Santos, de 23 anos, na frente de uma casa noturna em Cuiabá, em 2017, foi condenado a pagar R$ 300 mil de indenização e pensão para a filha da vítima, de 3 anos. A decisão do dia 2 deste mês é do juiz Luiz Octávio Saboia Ribeiro, da 3ª Vara Cível de Cuiabá.

Na decisão, além dos R$ 300 mil por danos morais, o juiz fixou uma pensão à filha de José de 2/3 do salário mínimo, contando a partir da data do acidente, até a conclusão do curso superior dela ou até completar 25 anos.

“A atitude tresloucada e covarde do requerido deixou a autora de apenas 3 anos de idade sem o pai. Sem referência em sua vida. O requerido impôs a autora uma pena perpétua, viver a vida sem conhecer o seu pai. Essa foi a consequência do ato ilícito, ilegal e irresponsável do requerido”, cita o magistrado.

José Antônio trabalhava como manobrista para tirar o sustento da família. Ele foi atropelado por Juliano durante o horário de trabalho.

Um policial que estava no local também foi atingido e teve ferimentos. Ao fazer o teste do bafômetro, à época, o acusado apresentou 0,71 ml de álcool a cada litro de sangue.

“Consta da inicial que o requerido causou dolosamente a morte de José Antônio da Silva dos Santos, pai da postulante. Analisando o boletim de ocorrência, verifica-se que o condutor atropelou a vítima e foragiu do local. Conduta típica daqueles que pretendem se isentar de responsabilidade”, cita o juiz na decisão.

Juliano responde por homicídio qualificado e homicídio tentado.

O magistrado diz ainda que o caso representa a irresponsabilidade vivenciada pela sociedade no dia a dia.

“Alguns jovens que frequentam a noite cuiabana acreditam serem imortais, e violam a paz e a tranquilidade de terceiros. Embriagam-se em via pública e cometem todo tipo de absurdo contra terceiros. Interessante que quando são chamados a se responsabilizarem sempre se apresentam ‘pessoas de bem’, ‘coitados’, ‘cidadãos conscientes’, enfim douram a pílula”, ressalta.

O atropelamento

 

Conforme consta no processo do Ministério Público, Juliano teve um desentendimento com o policial na boate, e depois disso, saiu com o carro em alta velocidade.

Pelas informações obtidas pela polícia, o manobrista tinha acabado de entregar um carro ao policial que saía da boate. Juliano tentou atropelar o cliente e atingiu o manobrista.

José estava de pé ao lado da porta do motorista quando foi atingido pelo veículo dirigido por Juliano. O manobrista morreu antes de ser socorrido. Após atropelar a vítima, Juliano fugiu em alta velocidade e não prestou socorro.

Policiais conseguiram prender o motorista logo depois, na região do Bairro Parque Cuiabá.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

28d22ea8debbc6b199988d13574fc667

STF autoriza licença paternidade de 180 dias para servidores públicos

627b2343c2646efd56

Justiça publica lista de credores de transportadora de Sorriso que deve R$ 37,7 mi

5e340771c3d5915014a6302055439ce1

TCE-MT e AMM debatem criação de sistema de planejamento e contabilidade e avançam na implantação do GPE

cidadaos com voz e vez

Conheça o projeto Cidadãos com Voz e Vez desenvolvido em Sorriso (vídeo)

phpThumb (19)

Fórum de Nova Ubiratã abre processo seletivo credenciar fisioterapeuta e psicologia

15045641_2

Justiça nega liberdade a acusado de dirigir na contramão e matar motorista de aplicativo e passageira em MT