Aluno com autismo é agredido por professor durante crise em escola de Sinop

Um incidente chocante ocorreu na Escola Estadual Olímpio João Pissinati Guerra, localizada em Sinop, nesta quinta-feira (29-06), quando um aluno de 13 anos foi agredido por um professor durante uma crise de ansiedade. Segundo a Diretoria Regional de Educação (DRE), o aluno, que é diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Transtorno Opositor Desafiador (TOD), havia sido afastado da escola no dia 3 de maio, porém retornou às aulas na última segunda-feira (26) seguindo orientação médica. Ainda de acordo com a DRE, o estudante possui um histórico de crises na unidade escolar.

Durante a crise ocorrida na quinta-feira, o aluno teria demonstrado seu descontentamento ao bater com força na mesa em que estava estudando, além de ter jogado mesas e cadeiras contra as professoras presentes na sala. As professoras solicitaram ajuda a um professor de outra turma para conter o adolescente.

Ao chegar ao local, o professor tentou segurar o aluno pelos braços, conforme relatado pela polícia. Entretanto, o estudante conseguiu se soltar e, ao pegar outra mesa para arremessar, foi atingido por um soco no rosto por parte do professor, de acordo com o boletim de ocorrência.

Após o incidente, o Corpo de Bombeiros e o Conselho Tutelar foram acionados para prestar assistência. O aluno foi encaminhado a uma unidade de saúde devido aos ferimentos no rosto. A Polícia Civil está investigando o caso.

Diante desse grave episódio, a Diretoria Regional de Educação informou que o profissional responsável pela agressão foi afastado da escola até que o caso seja esclarecido. No entanto, o nome do professor não foi divulgado.

 

Veja também

Homem é baleado no Jardim Carolina e é socorrido ao Hospital Regional de Sorriso

Sorriso: corpo de homem carbonizado é encontrado dentro de veículo

Ex-padrasto de vítima de estupro é preso após ameaçar mãe da criança para não denunciar crime

Ação integrada da PM e PRF apreende 200 quilos de drogas em Barra do Garças

“Considero o fim da ‘saidinha’ um avanço legislativo, mas precisamos de muito mais”, afirmou a primeira-dama de MT, Virginia Mendes.

Mulher é mantida em cárcere privado e agredida pelo marido; cortou seu cabelo com facão