AMM defende ação articulada e esforço institucional para combater evasão escolar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

 

Em Mato Grosso, cerca de 23 mil alunos estão fora das salas de aula e parte dessa alarmante evasão é reflexo da pandemia do novo coronavírus que gerou a paralisação de atividades e fechamento de unidades escolares em todo o estado, a partir de março de 2020. Para incentivar o retorno dos alunos às escolas, a Associação Mato-grossense dos Municípios e várias outras instituições se uniram em esforço concentrado com o objetivo de aumentar a adesão dos municípios à plataforma Busca Ativa Escolar, desenvolvida pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância-Unicef.

Para debater estratégias e  ampliar a efetividade do trabalho, a AMM e o Tribunal de Contas realizaram nesta quarta-feira (25) uma reunião ampliada na Associação, em formato híbrido, que também contou com a participação de dirigentes da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação-Undime, da Secretaria de Estado de Educação-Seduc, da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação-  Uncme, do Ministério Público, da Assembleia Legislativa e do Unicef.

O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que é necessário um esforço institucional concentrado e integração de vários segmentos para resgatar as crianças e adolescentes que abandonaram a escola. “Tenho conversado com os prefeitos e pedido para que eles e suas equipes de secretários de saúde, ação, social, transporte, obras e várias outras lideranças se unam para promover esse retorno, tão importante para garantir o aprendizado e reduzir o desafio da evasão”, assinalou, acrescentando que mais de 90 municípios já fizeram a adesão ao Busca Ativa, mas que o objetivo é chegar à totalidade das cidades de Mato Grosso, demonstrando o incondicional apoio e compromisso dos gestores com o fortalecimento da educação e oferta de ensino de qualidade.

O ouvidor-geral do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso e supervisor da estratégia da Busca Ativa, conselheiro Antônio Joaquim, disse que é importante todos terem a dimensão do programa e ressaltou que as equipes das prefeituras devem estar integradas e envolvidas para a efetivação do trabalho. “Sugiro que nós soltemos um foguete a cada criança que volte às aulas, uma metáfora para essa comemoração. Fazemos um apelo para que todos retornem, reiterando a intensa alegria do TCE de perceber a evolução significativa da adesão dos municípios. Vamos capacitar todos os membros do programa que estão inscritos”, afirmou.

O secretário de Estado de Educação de Mato Grosso, Allan Porto, destacou a importância do trabalho desenvolvido pela AMM e TCE para mobilizar os 141 municípios neste momento de dificuldade imposta pela pandemia. “Só teremos condições de busca ativa com informação e com salas de aulas abertas. A ferramenta da Unicef  deve ser alimentada, informada para gerar os dados e fazer esse grande trabalho para diminuir a evasão  escolar dos quase 23 mil estudantes que estão fora da sala de aula”, declarou.

Para o promotor de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso, Miguel Slhessarenko, a reunião foi realizada em um momento primordial no estado, em que mais de 80 municípios já retomaram as atividades escolares. “A implantação da Busca Ativa foi pensada para escola aberta. Esses tempos com escolas fechadas causará prejuízo, por isso temos essa preocupação em resgatar esses  alunos, fazendo com quem muitas crianças e adolescentes abandonem os estudos on-line”, destacou.

A consultora de Educação e Proteção do Unicef, Nayana Góes, reforçou o compromisso do organismo internacional em apoiar os gestores na implementação da iniciativa. “É  importante mobilizar e sensibilizar para a adesão. Contem conosco na implementação do programa visando efetivar a Busca Ativa em cada município”, afirmou.

O coordenador da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação em Mato Grosso (Uncme), Edemar Jorge, parabenizou as autoridades pela preocupação em combater a evasão escolar e apresentou sugestões para aumentar a efetividade das ações. “ Trago como sugestão para avançar nos trabalhos abrir parceria com outras pastas, como a saúde, na busca dos alunos que já vinham sendo prejudicados antes da pandemia. Temos que contar com todo o efetivo dos profissionais de educação nos municípios para que possamos ter qualidade assegurada em todas as escolas públicas do estado e do país”, frisou.

O presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação-Undime, Eduardo Ferreira, ressaltou que a adesão à ferramenta é apenas um primeiro passo e que é preciso avançar nas ações. “Falar de Busca Ativa é falar de inclusão. Temos 94 adesões, mas precisamos de efetivação”, ponderou, acrescentando que a redução do número de alunos matriculados também impacta no orçamento da Educação dos municípios que passam a contar com repasses financeiros menores.

O presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, deputado Wilson Santos, conta que a pandemia pegou todos de surpresa, mas que o estado está de parabéns pelo retorno das aulas. “Temos que seguir e enfrentar, pois as aulas a distância geram dificuldades aos alunos. Precisamos combater a evasão escolar, fazer com que nossos alunos aprendam e esse trabalho só vai dar resultados com todas essas entidades trabalhando juntas. Com planejamento e organização vamos conseguir minimizar os estragos da aprendizagem da educação”, ressaltou.

 

Agência de Notícias da AMM