ANP aponta leve queda no preço médio da gasolina e óleo diesel em Sinop; Sorriso sobe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apontou, no mais recente relatório semanal, que o preço médio da gasolina em Sinop teve leve queda de 0,7%, com o custo de R$ 7,062. Dentre os 11 postos pesquisados entre os dias 17 e 23 desse mês, o valor mínimo encontrado foi de R$ 6,799 e o máximo de R$ 7,299.

O levantamento também registrou pequeno recuo no preço do óleo diesel de 0,23%, custando na média R$ 6,908 – antes estava em média a R$ 6,924. O consumidor em Sinop pode encontrar o valor mínimo de R$ 6,555 e o valor máximo R$ 7,099. O preço médio do etanol ficou em R$ 5,078 (antes R$ 5,022), enquanto a gasolina aditivada passou de R$ 7,267 para R$ 7, 169.

Só Notícias constatou aumento de 1,4% no valor médio da gasolina comum em Sorriso com o valor encontrado de R$ 7,450. O mínimo praticado nos 10 postos pesquisados é R$ 7,350 e o maior R$ 7,490. Houve também um registro de crescimento no preço do óleo diesel no município, antes R$ 6, 960 e agora R$ 7,025.

Conforme Só Notícias já informou, o preço da gasolina no país atingiu o valor médio mais alto registrado pela ANP, no último balanço custando R$7,270 o litro no país.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

thumb__1280_0_0_0_auto - 2022-05-18T160326.478

Futuro da economia da região foi tema de análise entre Cidesa e Fiemt

IMG01-6

Águas de Sorriso conclui perfuração de novo poço tubular profundo que beneficiará moradores do Distrito de Primavera

JMR_6372

Sine-MT divulga 2,1 mil vagas de emprego nesta semana em Mato Grosso; 204 em Sorriso

passaporte-07022022160716983

Emissões de passaporte mais que dobram no Brasil no 1º trimestre

thumb__600_0_0_0_auto (17)

Geraldo Rufino contará sua história a sorrisenses

Fábrica da empresa brasileira BRF em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Brasil precisa qualificar 9,6 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2025