Após pedir informações ao Executivo, Juíza diz que fechamento do Aterro Sanitário está cumprindo determinação judicial

A Juíza Dra Emanuelle Navarro Mano expediu nesta quinta-feira (21-12), nova decisão em relação ao caso do fechamento do Aterro Sanitário de Sorriso.  Depois de ter intimado o município a prestar esclarecimentos em 72 horas sobre a questão, a juíza plantonista recebeu ontem as explicações da gestão. Esta informou ter sido tomada decisão pelo Juiz Dr. Anderson Candiotto, na qual ficou estabelecido o cumprimento de um cronograma que inclui o fechamento da referida área.

A magistrada destaca na decisão expedida ontem, que a ação coletiva pretendia uma revisão de decisão judicial.  “[…]  em que pese as razões trazidas pelas autoras, e agora em análise mais apurada do imbróglio, principalmente após a juntada da ação competente para se decidir a questão, tem-se que o pretendido aqui é, na verdade, revisão de decisão tomada em ação judicial (n. 1000731-80.2017.8.11.0040), a qual se encontra, inclusive, em conclusão para o juiz competente desde 13/12/2023”.

Destaca ainda que no seu entendimento “[…] existe uma ação de cumprimento de sentença, com cronograma/obrigações assumidas pelo requerido junto ao MP, cronograma/obrigações estes “homologados” pelo Juízo (após parecer do Ministério Público favorável a TODOS os seus termos), vindo as autoras, agora, pretender inovar em tais obrigações, impondo outras que podem inviabilizar o que restou decidido judicialmente.”

Para a magistrada, reapreciar o caso durante o plantão judiciário “[…] é defesa, por violar o princípio do juiz natural e do duplo grau de jurisdição, tanto que prevista a vedação em normativa do TJMT e do CNJ (Res. 71/2009), devendo ser atacada mediante recurso à instância adequada. Quando do retorno do expediente, 08/01/24, ao Juízo competente, para associação aos autos 1000731-80.2017.8.11.0040 e decisão.”

Sobre a nova decisão da Juíza, o advogado que representa as empresas que atuam no setor de retirada de entulhos, Dr. Adriano Valente afirmou: “Curiosamente, em menos de 12 horas eles se manifestaram nos autos. Eu digo curiosamente porque entrei com três requerimentos há 14 dias hoje pedindo informações sobre o credenciamento destas duas empresas particulares. Até hoje não foram respondidos estes requerimentos. A Juíza não entendeu que o aterro está correto. Ela só disse que a matéria não pode ser analisada durante o recesso do fórum. A ação continua. Após o retorno do trabalho do fórum o Juiz da Vara da Fazenda Pública vai analisar”.

O advogado lembrou que como afirmado ontem, tem plena convicção jurídica que a decisão da prefeitura é ilegal. “Observada a legislação a prefeitura vai ter que manter serviço de coleta de lixo e resíduos dos particulares. Se não for na atual área que, aliás, é uma vergonha para Sorriso, em outra área ela vai ter que prestar o serviço, porque ela tem a titularidade e  vai ter que fazê-lo. O processo segue e sempre digo a meus clientes: a mentira voa, mas a verdade engatinha. Ela engatinha, mas chega. Temos certeza absoluta que vamos demostrar a verdade, seja no prazo que for. São questionamentos que fazemos no ponto de vista técnico e vamos sustentar isso até o julgamento”, disse.

galeria de imagens

Veja também

Gato-palheiro resgatado em Sorriso passa a viver em zoológico de SP para reprodução da espécie

Prefeitura de Sorriso convida para o 4° Fórum Municipal de Cultura

Polícia Federal cumpre mandado em Sorriso na 27ª Fase da Operação Lesa Pátria

SEMA alerta que CAR será suspenso caso não haja resposta dos produtores

MPMT firma acordos e destina quase R$ 4 milhões para instituições

Polícia Militar recupera em Sorriso caminhonete furtada da Funai de Colíder