Autoridades sorrisenses visitam Centro de Atendimento Multidisciplinar para Pessoas Inclusivas em Várzea Grande

Na busca por aprimorar os serviços de inclusão ofertados pelo Município, o prefeito Ari Lafin visitou nesta semana o Centro de Atendimento Multidisciplinar para Pessoas Inclusivas (Campi) em Várzea Grande. O espaço, localizado no estado do Mato Grosso, é uma referência no atendimento de pacientes do transtorno do espectro autista (TEA) e demais transtornos do desenvolvimento e da mente. Acompanharam o prefeito durante a visita o secretário de Administração, Estevam Calvo, e o juiz da Comarca de Sorriso, Anderson Candiotto.

A visita teve como objetivo principal conhecer a estrutura do Campi, os serviços prestados e o acolhimento oferecido aos pacientes e suas famílias. O prefeito Ari Lafin ressaltou a importância de estreitar os laços com o Campi para melhorar o trabalho já realizado no município, tanto no atendimento prestado na rede municipal de ensino quanto nos serviços municipais de saúde.

Atualmente, a rede municipal de ensino de Várzea Grande conta com 224 alunos diagnosticados com o espectro autista. No entanto, segundo o secretário de Administração, Estevam Calvo, esse número é ainda maior, uma vez que há pessoas que ainda não receberam o laudo e estão sendo atendidas pela rede privada de saúde e educação.

Humberto Silva, diretor administrativo do Campi, destacou o crescente número de diagnósticos do espectro autista em todo o país e enfatizou que a instituição é a maior do Brasil a oferecer tantos profissionais e serviços em um único local. Ele ressaltou que municípios com mais de 200 alunos laudados e estudando na rede pública podem considerar a implantação de um Campi em suas localidades, adaptando-o às suas necessidades.

O Campi de Várzea Grande adota a terapia ABA (Análise do Comportamento Aplicada) para o tratamento dos pacientes. Essa abordagem é reconhecida internacionalmente e tem se mostrado eficaz no auxílio ao desenvolvimento e na promoção da inclusão das pessoas com transtorno do espectro autista.

O juiz da Comarca de Sorriso, Anderson Candiotto, também esteve presente durante a visita e ressaltou a alta demanda de atendimento na região. Ele destacou a importância de conhecer o Campi para planejar um atendimento adequado e planejado, especialmente para crianças e adolescentes portadores do espectro autista.

Além do Campi, o município de Várzea Grande oferece outros serviços especializados na área da inclusão. O Centro Municipal de Atendimento e Apoio à Inclusão da Educação Especial de Sorriso (Cemais Professora Adriana Maria Damo) atende os alunos que estudam na rede municipal de ensino. Na área da saúde, o Ambulatório de Saúde Mental Infantojuvenil Integrar (Asmi/Integrar) oferece atendimento psicológico e psiquiátrico, enquanto o Centro de Reabilitação Renascer (CRR) conta com fonoaudiólogos e fisioterapeutas. O Centro Especializado em Reabilitação (CER II), que atende pelo SUS, também presta apoio na área de reabilitação intelectual para pacientes com Transtorno de Espectro Autista (TEA).

 

Veja também

Tayane Cáttely é a primeira entrevistada da série Semana da Mulher na Voz do Povo

Operação Hígia: Guarda Civil Municipal de Sorriso intensifica a fiscalização e recolhimento de veículos abandonados

Sorriso: gerente de empresa é preso por suposto desvio financeiro e lavagem de dinheiro

Corpo é encontrado em plantação de milho em Lucas do Rio Verde ; PJC investiga

Boa Esperança do Norte: homem é detido com garrucha após denúncia de que teria incendiado residência

Diamond Park: inovando o Conceito de Moradia em Sorriso