Banco Mundial, FMI e OMC pedem apoio a países afetados por alta no preço de alimentos

Os líderes de Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e de outros organismos globais defenderam, em comunicado conjunto divulgado na sexta-feira (15), o aumento do apoio aos países mais afetados pela escalada global dos preços de alimentos. Fato que ocorre desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro.

Na nota, os dirigentes das entidades pedem que a comunidade internacional trabalhe para ampliar os recursos do Programa Global de Alimentos (WFP, na sigla em inglês), evite restrições ao comércio global alimentar. Além disso, eles sugerem a ampliação a produção e o investimento em agricultura resiliente às mudanças climáticas.

“Cobrir o custo do aumento de sua conta de importação de alimentos é essencial”

“Garantir que os países mais vulneráveis que enfrentam problemas significativos de balança de pagamentos possam cobrir o custo do aumento de sua conta de importação de alimentos é essencial para minimizar qualquer risco de agitação social”, destaca o texto.

Além dos líderes de Banco Mundial, FMI e OMC, a nota sobre o alto preço de alimentos mundo afora é assinada pelos chefes de WFP e da Organização de Alimentos e Agricultura (WBG, na sigla em inglês).

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

energiza

Mutirão em Sorriso realiza negociações com parcelamento em até 24 vezes

Dinheiro, Real Moeda brasileira

Cerca de R$ 9,2 bilhões de saque extraordinário voltarão ao FGTS

thumb__600_0_0_0_auto - 2022-08-04T083155.301

Sine Sorriso tem 363 Vagas de emprego em aberto

caminhoneiros (1)

Auxílio a caminhoneiros será pago por meio de poupança social digital

governo-paga auxilio-brasil-a-beneficiarios-com-nis-final-7-scaled

Mais 2,2 milhões de famílias vão receber Auxílio Brasil de R$ 600

botijão de 13 quilos de gás de cozinha

Auxílio Gás será de R$ 110 em agosto, informa Caixa