Comarca de Sorriso unifica rede de proteção às mulheres, crianças e idosos vítimas de violência

As mulheres, idosos, crianças e adolescentes que forem vítimas de violência familiar em Sorriso receberão atendimento psicológico 24 horas na delegacia judiciária civil do município.

A medida faz parte do termo de cooperação assinado nesta quinta-feira (21 de julho) na Comarca do Fórum do município, que unifica a rede de proteção às mulheres, crianças e adolescentes vítimas de violência e inclui também os idosos ao grupo de proteção. Sorriso passa a ser a primeira Comarca do Estado a aplicar a unificação.

O acordo assinado entre o Poder Judiciário, Prefeitura Municipal, Ministério Público de Mato Grosso e Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB/MT), representa um grande avanço às pessoas em situação de vulnerabilidade e violência familiar, pois proporciona o acolhimento às vítimas desde o primeiro momento.

O juiz da Vara da Infância e Juventude de Sorriso, Anderson Candiotto, afirma que a unificação tem como foco a racionalização dos serviços, para gerar mais eficiência e rapidez ao tratar os problemas relativos à violência familiar.

“Qualquer vítima dessa rede unificada que procurar a delegacia para solicitar uma medida protetiva, além do atendimento feito pela polícia civil, já vai receber também um acolhimento humanizado, um esclarecimento sobre todos os serviços que são oferecidos e uma orientação psicológica de como lidar com a situação de agora em diante, para que ela possa permanecer sendo atendida pela rede de proteção”, ressalta o juiz.

A iniciativa também diminui o processo de revitimização, a partir de uma escuta unificada, feita apenas uma vez pelos profissionais responsáveis, para que a vítima não precise reviver os abusos e agressões ao ter que descrever por diversas vezes as situações ocorridas.

Durante a cerimônia de assinatura do termo, o juiz Anderson Candiotto também salientou ser fundamental a conscientização por parte da vítima sobre as influências que tentarão fazê-la desistir da denúncia, além de culpabilizá-la pelas agressões. “É preciso que ela esteja ciente, para que não desista dos seus direitos e possa permanecer em segurança. Essa influência pode vir de diversos lugares: da família, amigos, comunidade religiosa e da própria pessoa que praticou a agressão.”

A promotora de Justiça de Sorriso, Maísa Fidelis Gonçalves Pyrâmides, destacou em sua fala a importância da humanização desde o primeiro atendimento da rede de proteção e a necessidade da capacitação dos profissionais que farão a escuta unificada, para que extraiam o máximo de informações sem expor as pessoas à revitimização. “Se a vítima mulher, por exemplo, não receber no primeiro momento um acolhimento adequado, ela se tornará muito provavelmente uma estatística de feminicídio. Então é preciso quebrar paradigmas e o ciclo de violência desde o início dos atendimentos.”

De acordo com a secretária de Assistência Social do município, a primeira-dama Jucélia Ferro, a assinatura do termo irá fortalecer ainda mais a rede de proteção. “Sorriso está avançando bastante com essa unificação da rede de proteção, no que tange às mulheres, idosos, crianças e adolescentes vítimas de violência. Fico muito feliz em saber que a Comarca é a primeira do Estado a implantar a unificação.”

O prefeito de Sorriso, Ari Lafin, frisou o papel fundamental do Poder Judiciário, na organização de uma força tarefa para unificação da rede de proteção, junto aos Poderes Executivo e Legislativo, Ministério Público e sociedade civil organizada. “Não podemos aceitar a violência como um fator normal. Todos têm o direito de viver a sua vida plena, com liberdade, e principalmente com respeito em seus lares. E nós, autoridades constituídas, estamos unidos por meio do fortalecimento das nossas redes, para que os direitos possam ser respeitados e estabelecidos no município de Sorriso.”

#Paratodosverem
Esta matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência visual.
Primeira imagem: Sala do Tribunal do Júri do Fórum de Sorriso onde foi assinado o termo. Na imagem é possível ver pessoas de costas sentadas nas cadeiras. E ao fundo da imagem estão o juiz Anderson Candiotto, prefeito e primeira dama sentados de frente para as pessoas.
Segunda imagem: Juiz Anderson Candiotto está sentado ao lado do prefeito de Sorriso. Ele fala ao microfone para os presentes durante assinatura do termo.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

galeria de imagens

Veja também

caso-furlan

Julgamento de Furlan, acusado de matar Júlia será nesta 5a-feira (18) no Fórum de Sorriso

ferrovia_mt

Justiça Federal suspende emissão de licença para ferrovia estadual

caso furlan

Sorriso: caso Furlan irá a julgamento na próxima semana

Foto: reprodução/rede social

Empresária envolvida em esquema de desvio na saúde de Sorriso consegue Habeas Corpus

capa_pr9omot

Ministério Público conclui que Prefeitura de Sorriso pagou funcionários fantasmas e denuncia ex-secretário e ex-servidor da secretaria de cidade

f40b301580bfc887142ce75c7b7f3880

Maria Aparecida Fago é empossada como desembargadora do TJ