(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Comitiva sorrisense quer que Estado reveja restrições

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Diálogo, equilíbrio, flexibilidade. Em busca de um “meio-termo” para reduzir novos casos de Covid-19 mantendo a economia sustentável, representantes de Sorriso e Sinop cumprem agenda hoje (18) na capital do Estado.  Junto com o prefeito de Sorriso, Ari Lafin, estão o secretário de Desenvolvimento Econômico do município, Claudio Oliveira; o presidente do Legislativo sorrisense, Damiani da TV e os vereadores Acácio Ambrosini e  Diogo Kriguer; o secretário de Desenvolvimento Econômico de Sinop, Klayton Gonçalves, e os edis sinopenses Adenilson Rocha e Dilmair Callegaro.

O grupo, acompanhado pelo vice-presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Mato Grosso (FCDL), David Pintor, e outros representantes setoriais, foi recepcionado na Assembleia Legislativa do Estado pelo presidente da instituição, Max Russi e pelos deputados Dr. João, Elizeu Nascimento, Dilmar Dal Bosco, Faissal Calil e Ulysses Moraes.  

Em pauta, o pedido para que o Governo do Estado flexibilize o decreto que institui toque de recolher e limita o horário do funcionamento do comércio. O grupo busca ainda, com apoio dos legisladores, levar este apelo até o governador do Estado, Mauro Mendes.

O documento inicial, o 863/21, publicado em 1.º de março, com validade a partir do dia 3, sofreu algumas alterações (841/21) e teve a vigência ampliada até o dia 4 de abril. Entre outras regras, decreto 863/21 estabelece a de que todos os estabelecimentos comerciais devem fechar as portas às 19 horas. No caso dos restaurantes, só pode haver consumo nos locais durante o dia. À noite, a entrega no balcão, sem consumo no local, é liberada até às 20h45 e o delivery está liberado até as 23 horas.

“No entanto, nem todos os pequenos empreendimentos tem condições de sustentar um delivery, por exemplo”,argumenta o prefeito de Sorriso, que busca intensificar o diálogo com todos os setores. Ontem mesmo, os comerciantes cujos empreendimentos funcionam à noite, como lanchonetes e espetinhos, por exemplo, foram ouvidos por representantes do Executivo e do Legislativo.

Uma carta aberta ao governador traz uma lista de apontamentos para que ele reveja os decretos 836, 837 e 841, que tratam destas imposições. Entre os argumentos, o tratamento desigual para os comerciantes e o impacto para os alunos que estudam no período noturno.  De acordo com Cláudio Oliveira, que conduziu a reunião de ontem, a carta aberta pede que as atividades possam ser mantidas até às 22 horas e o toque de recolher, que atualmente começa às 21 horas, tenha início às 23 horas

Para Ari Lafin, é possível sim, continuar com os cuidados para frear a Covid-19 mantendo o comércio funcionando, dentro de rigorosas medidas sanitárias.  Um dos exemplos foi dado pelo gestor que, por meio do decreto 483, definiu restrições para a circulação de pessoas em áreas públicas do Município, como parques e praças.

E é justamente para falar dos anseios não só de Sorriso, mas também de Sinop, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Tangará da Serra que o grupo busca o encontro com o governador.  “Precisamos respeitar o momento, que é um momento muito difícil, nós sabemos disso e estamos fazendo todos os esforços para contribuir nesta situação, mas precisamos que o governador ouça as demandas de todos os setores”, comenta o gestor, informando que Hospital de Campanha segue funcionando nas 24 horas do dia, oferecendo atendimento já nas primeiras suspeitas de contaminação.