Agronegócio

Cultivar soja está 12,7% mais caro

Por: Jornal A Gazeta Publicado em 15/01/2020

Cultivar soja na safra 2019/2020 ficou 12,7% mais caro aos produtores mato-grossenses do que na temporada anterior. Para plantar 9,775 milhões de hectares foram necessários R$ 22,5 bilhões. O custo médio, por hectare, alcançou R$ 2,302 mil. Na última safra, o valor total foi estimado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) em R$ 20,066 bilhões. Na época, a área ocupada envolveu 9,665 milhões (ha) ao valor médio de R$ 2,076 mil/ha. Para o próximo ciclo, com plantio programado para meados de setembro, o custo médio por hectare será um pouco menor (0,7%), em torno de R$ 2,284 mil, prevê o Imea.

Alta no custo de produção e preços baixos para comercialização da última safra diminuíram a capacidade do sojicultor mato-grossense de usar recursos próprios para financiar a atividade agrícola. Na temporada 2019/2020, o autofinanciamento da produção no Estado foi menor. Passou da proporção de 20% (R$ 5,912 bilhões) no último ciclo para 19% (R$ 6,322 bilhões), aponta o Imea. Há 5 anos, os recursos próprios custearam 40% da safra 2015/2016. O sojicultor gostaria de autofinanciar cada vez mais a própria produção, sem recorrer a outros agentes de financiamento, diz o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Galvan. “Mas, ele perdeu essa capacidade porque a margem (de lucro) caiu bastante”, afirma. “O preço da soja melhorou (na safra atual), mas foi vendido abaixo na safra passada, quando esteve em R$ 60 a saca (60 kg). Foi péssimo na safra 2018/2019. Agora voltou ao patamar da safra 17/18 e está na média de R$ 73”.

Outra mudança observada pelos analistas do Imea é que os produtores locais recorreram mais ao sistema financeiro de crédito e às contratações a juros livres. Essa fonte de financiamento elevou sua participação de 18% na temporada 18/19 (R$ 3,548 bilhões) para 25% na atual (R$ 5,661 bilhões). Dos bancos que operam recursos federais a juros controlados foram contratados R$ 4,228 bilhões ou 9% do custeio total neste ciclo, ante R$ 13% no anterior (R$ 3,833 bilhões).

“Os produtores estão acreditando mais no governo e entendendo que podem confiar que os juros não irão aumentar a curto prazo”, opina Galvan ao dizer que os recursos a juros controlados não são tão vantajosos para o produtor devido aos “penduricalhos” embutidos. “Para conseguir esses recursos para custeio, o produtor acaba sendo forçado a contratar seguro de vida, pagar projeto caro que o banco exige”. As contratações a juros livres e controlados fazem dos bancos os maiores financiadores do custeio da sojicultura.

Enquete. Participe!

Em sua opinião, quais secretários do governo Ari Lafin devem continuar na próxima gestão?
(É possível votar em mais de um)