Em ação voluntária, médicos do ICB investigam riscos de diversos tipos de câncer durante a Expedição Médicos do Pantanal

Todos os anos, desde 2012, ocorre a expedição Alma Pantaneira, liderada pelo médico ortopedista Dr. Walter Albaneze, na qual médicos e outros profissionais de saúde, voluntariamente, são levados às regiões rurais do Pantanal com o objetivo de fornecer acesso a serviços básicos de saúde para a população. Durante uma das expedições pelo Pantanal do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o ICB desenhou um Estudo observacional brasileiro, previamente aprovado no Comitê de Ética Médica (CEP), que coletou dados de pacientes de ambos os sexos e maiores de 18 anos visando entender os principais fatores de risco para o câncer e o acesso a exames de rastreamento naquela população. A amostra do estudo foi definida por conveniência, incluindo todos os pacientes atendidos pelo programa entre 18 de novembro de 2021 e 30 de novembro de 2021. O trabalho foi selecionado para publicação eletrônica no maior e mais prestigiado congresso de oncologia do mundo: ASCO 2023- American Society of Medical Oncology. O oncologista Dr. Jose Marcio Barros Figueiredo é o primeiro autor do trabalho; Dr. Luis Eduardo Zucca é o autor sênior.
A expedição teve início em Cuiabá (MT) e adentrando o Pantanal pelo município de Poconé (MT), chegando a Corumbá (MS), após percorrer mais de 1000km. Devido às dificuldades de acesso e distância, essa região praticamente não possui assistência pública, apesar das medidas estabelecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para a população brasileira.

Dessa forma, o ICB conseguiu coletar informações cruciais sobre a população pantaneira e os principais riscos da formação de neoplasias como câncer de mama, câncer de pulmão, câncer de intestino, de colo de útero e de próstata.

“É urgente a necessidade de adoção de políticas públicas na população estudada e ampliação do acesso à prevenção, rastreamento, diagnóstico e tratamento precoce do câncer”, explicam os autores.

Fatores de Risco

No total 156 pacientes participaram do questionário de saúde, com uma média de idade entre 14 e 41 anos, em que 63,5% eram homens e 36,5% eram mulheres.

Entre a população estudada, 70,5% se declararam pardos, 10,9% negros e 15,4% brancos. As principais informações coletadas e que são fatores de risco para o desenvolvimento de câncer foram:

• A principal doença que acomete essa população é a Hipertensão arterial (23,7%), seguida pela diabetes (3,2%);
• Mais da metade da população foi constatada com sobrepeso ou obesidade grau I;
• 38,5% eram fumantes ativos, 3,2% declaram ser ex-fumantes e mais da metade consumiam bebidas alcóolicas frequentemente;
• Apenas 65.9% das mulheres com mais de 25 anos realizaram o teste de Papanicolau nos últimos 2 anos;
• Somente 42.9% dos homens acima dos 45 anos realizaram o teste PSA;
• apenas 5,8% da população com mais de 45 anos realizou colonoscopia;
• 12.3% relataram parentesco primário ou secundário com diagnóstico de câncer;
• Além disso, 4,5% da população tinha 3 ou mais parentes de primeiro ou segundo grau com histórico de câncer antes dos 50 anos;
• As taxas de cobertura mamografia serão divulgadas em um segundo momento.

Esses dados expõem os altos índices de risco para desenvolvimento de câncer, sendo alguns acima da média em comparação com o resto da população brasileira.

“O estudo gerou dados epidemiológicos até então não disponíveis na região do Pantanal sobre a prevalência dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de neoplasias malignas, bem como medidas de prevenção primária e secundária. O rastreamento populacional para o câncer está abaixo da meta estabelecida pela OMS para os tipos de câncer mais prevalentes. Fatores de risco como tabagismo, etilismo e excesso de peso estão acima da média da população brasileira”, observaram os autores.

O próximo passo será a entrega de um relatório técnico, formulado pelos pesquisadores do Instituto do Câncer Brasil-ICB e o Instituto Alma Pantaneira, propondo políticas públicas específicas para todos os municípios da planície pantaneira, priorizando a prevenção primária e secundária de câncer com acesso diferenciado a exames de rastreamento.

O estudo foi financiado pelo Instituto Alma Pantaneira e pelo Instituto do Câncer Brasil de Ensino e Pesquisa.

Apoio institucional: Instituto Projeto Cura

Referência: Cancer risk factors and screening tests in the Pantanal population, a rural area in Brazil.
First Author: Jose Marcio Barros Figueiredo, MD
Meeting: 2023 ASCO Annual Meeting
Session Type: Publication Only
Session Title: Publication Only: Health Services Research and Quality Improvement
Track: Health Services Research and Quality Improvement
Subtrack: Healthcare Equity/Access to Care

O Instituto do Câncer Brasil

O Instituto do Câncer Brasil é uma instituição especializada no atendimento e tratamento de oncologia, com o objetivo de proporcionar acesso descentralizado e de alta qualidade aos serviços oncológicos em diferentes regiões do país. Com a implantação de estruturas clínicas, cirúrgicas e de radioterapia, o ICB colabora com hospitais, clínicas privadas e também estabelece parcerias com o Sistema Único de Saúde (SUS).

O compromisso do Instituto do Câncer Brasil é proporcionar um tratamento completo e abrangente, considerando as necessidades individuais de cada paciente. Além de oferecer serviços médicos de excelência, a instituição busca promover um ambiente acolhedor e confortável, durante todo o processo de tratamento.

Com uma equipe dedicada e comprometida, o ICB contribui para a luta contra o câncer, priorizando a saúde e o bem-estar dos pacientes em todas as etapas do tratamento.

Com o intuito de ampliar o acesso aos cuidados oncológicos, o ICB possui seis unidades distribuídas em diferentes localidades do Brasil. Na região Centro-Oeste do país, três unidades estão situadas em Corumbá (MS), Três Lagoas (MS) e Sorriso (MT). Essas unidades contam com profissionais especializados em diversas áreas da oncologia, trabalhando de forma integrada para garantir um atendimento eficiente e humanizado aos pacientes.

Veja também

Brasil tem mais de um milhão de casos de dengue este ano

Sorriso registra índice de infestação do Aedes Aegypti acima do tolerável

Prefeitura de Sorriso convoca Agentes de Combate a Endemias aprovados em 2022

Ministério da Saúde vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios

Programa “A Voz do Povo” recebe Dra. Juliana Siqueira para falar sobre a campanha Fevereiro Roxo e o Alzheimer

SAMU de Sorriso recebe avaliação positiva do representante do Ministério da Saúde durante visita técnica