Entra em vigor lei que proíbe Pesca Comercial por cinco anos em MT

Uma nova legislação que proíbe a pesca comercial pelos próximos cinco anos entrou em vigor no estado de Mato Grosso nesta segunda-feira. A medida, que foi aprovada no dia 28 de junho, com 15 votos favoráveis e oito contrários em uma segunda votação na sessão ordinária da Assembleia Legislativa em Cuiabá, visa a proteção dos estoques pesqueiros em meio a preocupações ambientais.

A lei tem impacto direto em cerca de 15 mil famílias de pescadores artesanais registrados no Ministério da Pesca, que manifestaram sua oposição à medida. O Ministério da Pesca e Aquicultura, em particular, expressou descontentamento com a legislação, considerando-a uma infração à Lei da Pesca.

O governo estadual defende que a proibição da pesca comercial é crucial devido à redução dos estoques pesqueiros, que coloca em risco diversas espécies nativas no estado. A normativa busca impor restrições ao transporte, armazenamento e comercialização do pescado pelos próximos cinco anos, visando, segundo as autoridades, promover o turismo de pesca esportiva.

De acordo com o governo, a medida é uma resposta à necessidade de preservar as espécies locais e fomentar o turismo, o que, por sua vez, impulsionaria a economia local gerando empregos. Contudo, a reação adversa por parte dos pescadores artesanais e do Ministério da Pesca levanta questões sobre a eficácia da abordagem.

O Ministério da Pesca e Aquicultura, em declaração emitida na quinta-feira (15), argumenta que a preferência dada à pesca amadora e esportiva em detrimento da pesca artesanal é uma violação à legislação existente sobre pesca. Além disso, o Ministério ressalta que a principal razão para a diminuição dos estoques pesqueiros é a construção de barragens de usinas hidrelétricas ao longo dos rios, não a atividade pesqueira em si.

A implementação da lei já provoca intensos debates entre defensores da preservação ambiental e aqueles que dependem da pesca comercial como meio de subsistência. A questão promete permanecer no centro das discussões nos próximos meses, à medida que os impactos da legislação se fazem sentir na economia local e na comunidade de pescadores artesanais.

Veja também

Rio Grande do Sul: 18 escolas públicas de Porto Alegre retomam aulas nesta segunda-feira (20)

Padre Augustinho Bona que morreu em Sorriso ontem, será sepultado no Paraná

Corpo de bombeiros captura cobra cascavel em empresa de Sorriso

Governador defende eficiência e que Brasil lidere setor da economia verde

Medida Provisória do Auxílio Reconstrução do Rio Grande do Sul entra em vigor

Ministro Alexandre de Moraes suspende por mais 90 dias processo sobre Ferrogrão no STF