(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Instituições avalizam volta às aulas; Seduc apresenta plano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Setores importantes da sociedade civil são favoráveis ao retorno das aulas no sistema híbrido em Mato Grosso, durante reunião realizada na tarde dessa quinta-feira (20.05) na Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT). O evento teve a presença de representantes do Ministério Público do Estado, Assembleia Legislativa, Conselho Estadual de Educação, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Fórum Estadual de Educação e Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso.

Conforme o plano de retomada das aulas na rede estadual de ensino na modalidade híbrida, do dia 31 de maio a 04 de junho será realizada a semana de acolhimento aos professores e alunos. A partir do dia 07 de junho, iniciam as aulas e o revezamento entre os estudantes.

Secretário de Estado de Educação, Alan Porto destacou problemas educacionais provocados por causa do tempo fora da sala de aula, como as dificuldades no aprendizado, e os impactos sociais. “O conhecimento é a chave para a gente sair dessa pandemia. E as crianças estão ficando dentro de casa e não estão tendo acesso a esse conhecimento. Existe uma inversão. Enquanto outros países estão priorizando a educação, o retorno a suas atividades, aqui no Brasil a gente vê isso ao contrário. Então isso é muito grave”.

O promotor de Justiça Miguel Slhessarenko disse que o Ministério Público tem acompanhado com bastante preocupação o desenvolvimento da educação desde o ano passado. Ele reconheceu que há grande impacto na aprendizagem dos alunos por causa do tempo de ensino remoto e que existem condições atualmente para a volta às aulas. “O Ministério Público apoiará o retorno e vai fiscalizar”.

Presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Wilson Santos disse que não vê mais nenhum obstáculo para que os estudantes possam voltar à escola, desde que respeitadas todas as medidas de biossegurança, e que os números de casos e mortes por Covid-19 têm diminuído no estado. “Estou convencido de que chegou a hora de voltar às aulas”, declarou.

Orientações

O presidente do Conselho Estadual de Educação (CEE), Gelson Menegatti Filho, disse que a instituição criou no ano passado uma normativa sobre o funcionamento do ensino híbrido em Mato Grosso e que as escolas particulares prontamente se adaptaram.

“O maior prejuízo é o da educação pública. Não é fácil recuperar o que foi perdido. O ensino vem da convivência social na escola”, declarou. “A educação, especialmente a pública, pede socorro”.

Coronel André Avelino Figueiredo Neto, diretor de ensino da Polícia Militar, reforçou a preocupação com crianças e adolescentes que estão sem aulas durante a pandemia e que é importante pensar a sociedade e ter a coragem de enfrentar a situação. “Vamos encarar esse desafio, e estamos nos colocando à disposição para contribuir”, disse.

Eduardo Ferreira da Silva, presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação), reconheceu a gravidade dos impactos da pandemia na educação de crianças e jovens.

“Estamos abrindo um fosso de conhecimento e social sem precedentes na história. E é nossa responsabilidade como gestores pensarmos em um meio de avançar. Não somos negacionistas de um risco evidente, mas também sabemos o que precisa ser feito para nos proteger”, declarou.

Programa ERA

Para esse retorno às aulas, a Seduc-MT fará o monitoramento das ações pedagógicas e de biossegurança nas escolas durante as atividades híbridas. Uma das ferramentas será uma plataforma de monitoramento, que será abastecida com informações dadas pelas escolas sobre a situação local.

Além disso, a Secretaria Adjunta de Gestão de Pessoas, por meio do Projeto ERA, vai dar suporte aos servidores da educação, com atendimento nas 15 Diretorias Regionais de Ensino (DRE) e suporte para as equipes das unidades escolares, orientação do uso correto de EPI (Equipamento de Proteção Individual) e suporte psicológico aos profissionais.

A Seduc-MT tem aproximadamente 31 mil servidores, dos quais 65% tem entre 30 e 49 anos. No total, 832 profissionais são do grupo de risco, com faixa etária média de 43 anos. A faixa etária atual de vacinação de pessoas com comorbidades em Mato Grosso está de 30 a 39 anos.  

Desde o início da pandemia e até essa quinta-feira, eram 2.987 casos suspeitos de Covid-19 entre os servidores da Seduc-MT, outros 2.902 casos confirmados e 72 mortes.