(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Medidas simples de prevenção podem evitar incêndios em ambiente rural

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Safra de milho em Mato Grosso é marcada pelo período de estiagem, especialmente durante a colheita. E inicia-se a preocupação dos produtores sobre a possibilidade de incêndios em áreas rurais e suas consequências, como perdas de produtos, maquinários, qualidade do solo e reservas legais, que podem demorar de quatro a cinco anos para serem recuperadas. Para orientar o comportamento diante da prevenção de acidentes com fogo, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), em parceria com o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso (CBMMT) realiza campanha preventiva voltada aos agricultores.

Nesta época do ano que chamamos de “seca”, a baixa umidade relativa do ar combinada a outros fatores, como elevadas temperaturas e a alta velocidade do vento, criam um ambiente propício para originar os indesejáveis acidentes com fogo. A colheita do milho é um grande gerador de volume de palhada que serve de combustível para os incêndios rurais. A falta de procedimentos adequados na prevenção, pode desencadear a propagação do fogo, acarretando prejuízos ambientais.

Aprosoja Mato Grosso acredita que é importante adotar medidas de prevenção e seguir algumas recomendações para uma colheita segura e assim reduzir riscos de incêndios nas propriedades.

Acompanhe alguns cuidados apontados na cartilha.

Antes da colheita tenha próximo: caminhão ou trator-pipa, bomba d’água, trator equipado com lâmina e grade, bombas costais, abafadores, luvas, óculos, botas e protetores respiratórios (EPIs). Mantenha aceiros limpos nos limites da propriedade, no entorno da vegetação de reserva legal e área de preservação permanente e em locais que oferecem riscos de incêndios florestais.

Vai colher? Tenha por perto: máquinas disponíveis para a confecção de aceiros emergenciais, caminhão-pipa, materiais para primeiros socorros, instrumentos para orientação (bússola, GPS), equipamentos para iluminação (se for o caso), material para combate (abafador, mochila costal e material de sapa), equipamentos de comunicação, instrumento que determine a direção e a velocidade do vento, máquina fotográfica e disponibilidade de água para hidratação do pessoal em combate.

Outras recomendações: todos devem estar devidamente equipados (EPIs), colher primeiramente as bordaduras, manter reservatórios de água ou caminhão-pipa próximo da máquina colhedora, verificar pontos abundantes de captação de água para abastecimento do caminhão-pipa (rios, represas, lagoas etc.), ter um plano de comunicação (celular, rádio etc.), ter um plano de emergência de incêndios florestais, envolvendo propriedades vizinhas e informá-las sobre o período que será realizada cada colheita (início e término) para que fiquem alerta, analisar a situação geral do terreno (avaliação de riscos, topografia, existência e localização de aceiros etc.). Durante a parada das máquinas colhedoras é recomendada a limpeza dessas máquinas, evitando o excesso de pó, palhada etc., realizar monitoramento aéreo da área de colheita (Ex.: drone); estabelecer possíveis rotas de fuga e avaliar a direção do vento.

Conforme a equipe técnica da Comissão de Sustentabilidade da Aprosoja, é indispensável adotar ações de prevenção e seguir todas as orientações. O produtor também deve estar atento as legislações que regulam possíveis responsabilizações administrativas, cíveis e penais, em caso de incêndios involuntários.