Número de presos em Mato Grosso aumenta 77% em 10 anos

Mato Grosso registra aumento de 77,14% no número de pessoas privadas de liberdade em uma década. Os dados são do estudo Cartografias da Violência na Amazônia, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, de 2012 a 2022. De 11.248 pessoas privadas de liberdade há 10 anos, o número saltou para 19.925 no ano passado.

Os números levam em consideração a população carcerária em regime fechado, semiaberto e aberto, em medida de segurança de internação e tratamento ambulatorial. Também considera os presos em celas físicas ou em prisão domiciliar, seja em monitoramento eletrônico ou não.

O defensor público, Fernando Soubhia, declara que o aumento dos números é um fenômeno complexo e difícil de apontar um fator individual para o acontecimento, mas acredita que os altos índices de prisões referentes ao tráfico de drogas contribuem para o cenário.

A prioridade político-criminal no combate às drogas só faz gerar encarceramento. A política de drogas adotada no Brasil e a sua implementação só gera presos, corrupção, fortalecimento de organizações criminosas e mortes. Não há diminuição do consumo, não há controle de qualidade do produto consumido, não há tratamento eficaz para quem busca e, certamente, não há diminuição da criminalidade.

Soubhia afirma que a política de repressão de drogas é um dos principais fatores de encarceramento no Estado. Até mesmo em razão das nossas características geográficas, como divisa com países produtores e rota de tráfico.

O defensor cita que o índice de prisões cautelares sempre foi um problema ao sistema judiciário brasileiro e que, nos últimos anos, foram realizadas reformas para amenizar o número de prisões provisórias, porém Mato Grosso segue com mais de 40% de presos sem condenação definitiva. Isso pode ser tributado a um judiciário conservador e menos criterioso na avaliação da real necessidade da custódia preventiva, a um clima de populismo penal e, novamente, à prioridade político-criminal que é dada ao combate ao tráfico de drogas, já que as pesquisas mostram que os índices de prisão provisória são de quase 70% quando a acusação é tráfico.

Veja também

Começa nesta quinta-feira consulta ao lote de restituição do IRPF

Prefeitura de Sorriso anuncia fechamento em respeito ao feriado de Corpus Christi

Politec capacita servidores municipais para emissão da Carteira de Identidade Nacional

TRE-MT rejeita ação de Nova Ubiratã e mantém criação do município de Boa Esperança do Norte

Sicredi Celeiro realiza ação ensinando sobre educação financeira para crianças e adolescentes

Prazo para pagamento do IPVA 2024 com desconto encerra no dia 29 de maio