(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Prefeitura conta com mais três tradutoras de Libras

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A quarta-feira (3) começou com gostinho de vitória para três professoras sorrisenses aprovadas no Atesto de Língua Brasileira de Sinais (Libras): Hosiane de Oliveira Bragia de Sousa, Claudilene Barreto e Gisele Cardoso Cortez, que receberam os certificados das mãos do prefeito de Sorriso, Ari Lafin; e do vice-prefeito, Gerson Bicego.

Também participaram da solenidade de entrega dos documentos a titular da Semec, Lúcia Drechsler; o coordenador do Centro Municipal de Atendimento e Apoio à Inclusão da Educação Especial de Sorriso (Cemais), Umberto Pelisser; e a professora e tradutora de Libras Ataice Borges.

As três professoras, graduadas em Pedagogia, atuam em Centros Municipais de Educação Infantil (Cemeis) da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) e abraçaram a Libras há um bom tempo. Hosiane, que atua no Cemeis Jardim Amazônia, revela que já trabalhou com um aluno surdo, em uma turminha de Maternal e que segue estudando a língua pra não perder a habilidade.

Já a Claudilene, que trabalha no Cemeis Aquarela do Saber, mas está afastada da sala de aula por integrar o grupo de risco para a Covid-19, estuda Libras há nove anos e revela que a aprovação no ano passado foi um alívio. “2020 foi um ano muito difícil e essa aprovação em dezembro me deixou muito feliz”, confidencia.

Gisele, que teve o primeiro contato com a Libras há 15 anos, fez um Atesto há muito tempo e não teve muito sucesso. No entanto, continuou estudando muito e agora exibe, toda feliz, a aprovação. Ela, que também trabalha na padaria de sua família, conta com orgulho que foi atender um cliente e reconheceu que era um ex-aluno surdo. “Ele ficou muito feliz quando eu pedi, em Libras, se ele queria um pastel de carne ou frango” relata.

Para Ataíce, que integra, há dois anos, os quadros da Prefeitura de Sorriso, por meio da Semec, formar mais tradutoras é indispensável para a universalização do atendimento aos surdos. “É preciso que se entenda o nível linguístico do surdo para ajudar na mediação em sala de aula e, para isso, a pessoa que faz essa interpretação, precisa de muito conhecimento e habilidade”, ensina.

“O papel da Ataíce tem sido fundamental neste sentido, de ampliar a formação de mais profissionais e, desta maneira, permitir que os surdos possam ser efetivamente integrados a toda a sociedade, desde a família, escola e mercado de trabalho também”, destaca a secretária de Educação e Cultura do município, Lúcia Dreschsler.

O prefeito Ari Lafin enalteceu a conquista das três servidoras e enfocou a ampliação do olhar sobre a inclusão de portadores de necessidades especiais (PNEs), com destaque para os surdos, por parte do Governo Federal. “A primeira-dama Michele Bolsonaro tem uma atenção especial ao atendimento aos surdos em esfera federal e vejo que aqui também estamos evoluindo de maneira muito positiva neste sentido, tanto nas ações da Semec, lideradas pela secretária Lúcia, assim como nas atividades desenvolvidas pela pasta da Assistência Social com foco na inclusão social, conduzia pela nossa primeira-dama Jucélia”, analisa o gestor.

Atesto

O atesto, voltado para pessoas que dominam a Língua Brasileira de Sinais (Libras), mas não possuíam certificado emitido por um órgão especializado, foi promovido, pela primeira vez em Sorriso, em dezembro do ano passado por meio da parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) e o Centro de Apoio e Suporte à Inclusão da Educação Especial (Casies) da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).