Reajuste anual frustra expectativa de redução da conta de luz

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

Com o fim da bandeira de escassez, os brasileiros esperavam que a energia ficasse bem mais em conta. Mas essa queda será menor do que a esperada, em alguns estados praticamente nula, por conta dos reajustes anuais, que chegam a quase 24%.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou no início do mês a entrada da bandeira verde a partir do dia 16 de abril e o fim da cobrança adicional, usada principalmente quando as termoelétricas, que têm energia mais cara, precisam ser acionadas. Segundo ele, a conta de luz dos brasileiros ficaria cerca de 20% mais barata.

Mas de acordo com Rodrigo Gelli, diretor técnico da PSR, consultoria de energia, a redução será bem menor, sendo diluída em aumentos periódicos autorizados pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). “O anúncio de redução de 20% das contas de luz foi possível porque foi feito antes do início do ciclo de reajustes tarifários de 2022, com poucas exceções”, avalia.

Reajustes da Aneel

A Aneel aprovou na última terça-feira (20) aumento tarifário em quatro estados do Nordeste. As novas cobranças entram em vigor na próxima sexta-feira (22).

Em média, a cobrança da Anel Ceará subirá 23,99%, maior reajuste até agora. O consumidor residencial sentirá, em vez de um alívio, alta de 0,09% na conta de energia.

Com aumento de 19,87%, a cobrança ficará 4,11% mais barata no Rio Grande do Norte. Já no Sergipe a queda será um pouco maior (6,15%), por conta, do reajuste de 16,46%.

Na Bahia, a conta de luz terá queda de 1,38%. A Coelba (Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia) passará a cobrar em média 20,73% a mais do que anteriormente.

Dois estados do Centro-Oeste também tiveram mudanças na tarifa, que estão em vigor desde o dia 16 de abril. No Mato Grosso subiu 20,36% e, no Mato Grosso do Sul, 16,83%. Com o reajuste anual e o fim da bandeira de escassez, a conta ficou apenas 0,04% e 2,76% mais barata, respectivamente.

Em março, antes do fim da cobrança extra, a CPFL Paulista já tinha passado por um reajuste médio de 13,80%. Assim como no Rio de Janeiro, onde a cobrança da Enel subiu 16,86% e da Light 14,68%.

É esperado ainda aumento na conta de energia do Rio Grande do Sul. A Aneel abriu na terça-feira (19) consulta pública para debater a revisão tarifária de cinco distribuidoras do estado. A agência decidirá sobre os novos índices que entrarão em vigor no dia 22 de julho. Na proposta, o efeito médio para o consumidor será de +6,45% a +19,83%.

Projeções atualizadas

Segundo as estimativas feitas pela consultoria de energia PSR, estados que ainda não tiveram reajuste tarifário irão perceber, em média, uma redução de cerca de 21%. Mas é esperado ao longo do ano para os consumidores residenciais aumento de 13,5% nas cobranças.

A expectativa, então, é que o valor da energia não registre uma grande queda, como era esperado com o fim da cobrança extra. “Com a manutenção da bandeira verde ao longo dos próximos meses de 2022, como indicam nossas simulações mais recentes, os consumidores residenciais perceberão que a redução média na conta de energia será no máximo de 7,5%”, afirma Gelli, diretor da PSR.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

thumb__1280_0_0_0_auto - 2022-05-18T160326.478

Futuro da economia da região foi tema de análise entre Cidesa e Fiemt

IMG01-6

Águas de Sorriso conclui perfuração de novo poço tubular profundo que beneficiará moradores do Distrito de Primavera

JMR_6372

Sine-MT divulga 2,1 mil vagas de emprego nesta semana em Mato Grosso; 204 em Sorriso

passaporte-07022022160716983

Emissões de passaporte mais que dobram no Brasil no 1º trimestre

thumb__600_0_0_0_auto (17)

Geraldo Rufino contará sua história a sorrisenses

Fábrica da empresa brasileira BRF em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Brasil precisa qualificar 9,6 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2025