(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Secretário Gilberto Figueiredo lamenta o fato de muitas pessoas deixarem de vacinar por dar preferência ao imunizante A ou B

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O secretário de Estado de Saúde Gilberto Figueiredo disse que muitas pessoas podem estar correndo risco de contágio pela covid-19 por simplesmente quererem escolher a marca do imunizante a ser aplicado nelas.

De acordo com um levantamento realizado pela coordenação de Tecnologia da Informação (TI) da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Cuiabá, apenas no mês de junho, mais de 11 mil pessoas agendadas deixaram de comparecer aos postos de vacinação para tomar a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. De acordo com a pesquisa feita entre o dia 1º e 12 de junho, cerca de mil pessoas por dia faltaram à vacinação.

A justificativa estaria relacionada ao intervalo entre uma aplicação e outra, já que variam de 28 a 90 dependendo do imunizantes. Há ainda, receios quanto a efeitos colaterais.

“Toda a vacina tem um nível de eficácia bom. Não existe vacina ruim neste momento. A pior escolha nesse momento é não vacinar. Mas como temos ao mesmo tempo o país atuando com mais de uma vacina, cria-se esse desconforto das pessoas que leem, escutam, até fake news, sobre uma determinada vacina, de não fazer a escolha [de tomar]. A orientação que eu dou: a diferença de horas, de um dia, pode significar o resultado ruim. Eu não correria esse risco”, afirmou Gilberto nesta terça-feira (15).

“A vacina que estiver disponível, aquela que estiver disponível, vá lá e se vacine. Não fique escolhendo marca de vacina neste momento porque isso pode ser decisivo na preservação da vida. É triste que pessoas fiquem no agendamento tentando identificar onde tem uma vacina, onde tem outra. Mais triste ainda aqueles que são céticos, não querem vacinar. Tem profissionais da saúde que não querem vacinar, profissionais da educação. Infelizmente sempre vai ter o livre arbítrio, não é uma vacina obrigatória por lei, então a decisão pessoal está dentro desse contexto, mas eu continuo recomendando à população que neste momento aqueles que podem, que foram escolhidos como prioridade, existe a vacina destinada para esse público, que busque vacinar para se proteger”, aconselhou.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com