Sinop: vereador preso pela Polícia Federal passa por oitiva na corregedoria em suposta quebra de decoro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

O corregedor da câmara de vereadores, professor Mário Sugizaki (Podemos), confirmou, em entrevista, ao Só Notícias, que o vereador Toninho Bernardes passou, há pouco, por oitiva oficial com a corregedoria. O parlamentar foi preso, na última quarta-feira, na segunda fase da operação Terra Envenenada, da Polícia Federal, acusado de envolvimento em um esquema de contrabando de agrotóxicos ilegalmente importados do Paraguai e China, e foi solto na quinta-feira.

Não foi confirmado, no entanto, qual o teor e quais as alegações apresentadas pelo parlamentar durante a oitiva, mas o corregedor ponderou que “vamos fechar o relatório, até o final dessa semana, e depois definir os próximos passos”, salientou.

Sugizaki também confirmou que recebeu, esta tarde, ofício protocolado pela advogada Janaína Lino Serra Teixeira, que requer que a câmara de vereadores, adote as medidas para apurar se houve quebra de decoro parlamentar por parte de Toninho. No documento, Teixeira apontou que o fato deixou a população de Sinop assustada, “tendo em vista que nunca na história da cidade um vereador eleito pelo povo teve o seu gabinete, vistoriado/visitado pela Polícia Federal, através de mandado de busca e apreensão, e a decretação/cumprimento a prisão temporária”.

Ela ainda citou falas do delegado de Polícia Federal, Rodrigo Martins, apontando que é investigado que o vereador seria responsável por receber e fazer a distribuição dos produtos contrabandeados, na região. Na operação, outros seis suspeitos, também tiveram prisões decretadas.

Caso seja comprovado que houve quebra de decoro, Toninho perderia o mandato, seguindo determinação da Lei Orgânica Municipal e também da Constituição Federal. No regimento interno da câmara, é definido que a apuração deve ser feita pela mesa diretora, resguardado o direito de ser proposta a criação de comissão de inquérito.

“Ressalto que tal pedido não visa apurar a culpabilidade do vereador, que será feito através do devido processo legal em sua esfera de competência, e sim se o mesmo faltou ou não com o devido decoro parlamentar, como lhe é exigido no momento de sua diplomação como um representante do povo”, completou ainda a advogada.

O grupo movimentou milhões com agrotóxicos contrabandeados já que foram transportadas toneladas de produtos, através de caminhões, saindo da fronteira e sendo feita comercialização no Nortão. A PF também cumpriu mandados de buscas e apreensões, além de prisões, em Sorriso, Feliz Natal, São Paulo, Campo Grande (MS) e Terra Roxa (PR).

Outro lado
Na sessão de hoje, o vereador Toninho Bernardes voltou a afirmar que provará a sua inocência. “Vou provar, diante da justiça, bem como diante desta casa, a minha inocência. Nunca me envolvi com ato ilícito de maneira alguma, sempre prestei um serviço à sociedade sinopense, como homem público, mesmo na área da segurança”, garantiu.

O parlamentar ainda destacou que continuará em seu mandato, e que o único material apreendido foi seu telefone. “Não tenho dúvida que no decorrer desta semana ou deste mês nós vamos provar nossa inocência, e mostrar a população sinopense que eles elegeram um homem sério, que tem compromisso com a verdade”.