Sorriso: CPIs tem prazos suspensos durante recesso legislativo, mas os trabalhos não param

A informação é do presidente da CPI da Saúde, vereador Rodrigo Machado. O pedido de suspensão dos prazos visa evitar que haja risco de a CPI ‘caducar’, segundo explicou.

Ele destacou que o trabalho não vai parar, porque há cerca de 10 mil páginas de documentos a serem analisados. “Estamos analisando. Pedimos suspensão de prazo porque esta é a forma legal, mas já estamos deliberando sobre os próximos passos a serem adotados”, afirmou,

Ele também expressou sua expectativa em relação a resultados futuros. “Alguns disseram que não ouvindo as investigadas não haveria sentido se continuar com a CPI. Eu discordo disso, porque há outras formas de investigar. Não podemos ser inocentes a ponto de pensar que estas investigadas viriam admitir culpa”.

Já em relação à CPI dos funcionários fantasmas, o trabalho segue buscando mais informações sobre os nomes colocados como suspeitos de serem os fantasmas. O presidente, vereador diz que espera bons resultados em cerca de dois meses. “Vindo novos documentos em que tenhamos mais dados sobre quem são os envolvidos acreditamos conseguir um bom resultado”, disse o vereador Marlon Zanella.

Ele confirmou que pode haver um pedido de quebra de sigilo, lembrando, entretanto, que é preciso ser concedido pelo Poder Judiciário.

Os prazos voltam a correr a partir de 31 de julho.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

f40b301580bfc887142ce75c7b7f3880

Maria Aparecida Fago é empossada como desembargadora do TJ

enfermeira_morta

Filho que matou enfermeira de VG continuará preso, decide juiz

capasamanta

Justiça mantém prisão de pai e filha envolvidos em suposto esquema de desvio de recursos da saúde em Sorriso

promotoriadesorriso

Caso João Ventura: Gestão foi alertada após primeiro pagamento por cirurgia não realizada

JOAO

Sorriso: paciente cujo nome foi usado para desviar mais de um milhão e meio de reais ainda não foi operado (vídeo)

WhatsApp Image 2022-07-26 at 17_57_29

MPMT requer suspensão de 22 leis que flexibilizaram porte de arma