Bacharel em direito investigado por pirâmide financeira em MT é preso pela Polícia Civil

Um bacharel em direito investigado pela Polícia Civil de Mato Grosso por lavagem de capitais, estelionato, pirâmide financeira e crimes contra relações de consumo foi preso nesta quarta-feira (07.06), no interior de Santa Catarina. S.M. foi localizado após diligências da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor e Diretoria de Inteligência da Polícia Civil. Após identificar o paradeiro do investigado, a polícia mato-grossense acionou o apoio da Polícia Civil catarinense para a prisão.

O investigado foi preso na cidade de Palhoça, região metropolitana de Florianópolis. Ele era procurado há mais de um ano pela Decon, desde que aplicou um golpe de pirâmide financeira em, aproximadamente, 100 vítimas, que tiveram prejuízo estimado em R$ 80 milhões.

De acordo com o delegado Rogério Ferreira, titular da Decon, a Polícia Civil estima que pode haver um número bem maior de vítimas do golpista, pois muitas não registraram boletins de ocorrência.

Com os elementos informativos coletados ao longo da investigação, a Decon representou pela prisão preventiva de S.M., deferida pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

O bacharel estava morando com sua companheira, a mesma que à época em que ele fugiu de Cuiabá o levou até a cidade de Presidente Prudente. A casa onde eles viviam era bastante simples, sem chamar atenção, mas monitorada por câmeras de segurança, de onde ele vigiava a movimentação na rua. Os policiais civis constataram que o local tinha poucos móveis e o casal dormia em colchões no chão.

Como tentativa de se esconder da polícia, S.M.utilizava um nome falso e deixou o cabelo a barba crescerem.

Inquérito

Em março do ano passado, a Delegacia do Consumidor em Cuiabá instaurou investigação para apurar os golpes praticados pelo bacharel, que se passava por advogado de um escritório renomado na Capital para angariar clientes para a pirâmide financeira.

Conforme a investigação apurou, há aproximadamente cinco anos, S.M. passou a informar a interessados que operava como ‘day trader’ na plataforma Forex, comprando e vendendo dólares e euros. Segundo os depoimentos colhidos e documentos reunidos na investigação, S. dizia que tinha um robô que realizava operações altamente lucrativas e prometia retorno mensal com juros de 5 a 8% ao mês para quem investisse o dinheiro com ele. Há relato de uma vítima que chegou a aplicar R$ 3 milhões.

A partir dessa época, o golpista passou a receber dinheiro de pessoas de seu círculo de relacionamento, interessadas em investirem em razão da promessa de juros mensais. Entre os clientes estavam integrantes de uma loja maçônica de Cuiabá à qual ele pertencia e foi, posteriormente à descoberta dos golpes, expulso.

Segundo a apuração realizada pela Decon, o investigado efetuou os pagamentos de forma regular dos valores aplicados até o mês de dezembro de 2021.

A partir de janeiro de 2022, ele deixou de pagar seus clientes sob a alegação de que não estava conseguindo repatriar o dinheiro por uma restrição na Receita Federal e multa aplicada pelo fisco nacional. S.M. alegou ainda que a Receita havia lhe aplicado uma multa no valor de R$ 1,5 milhão.

Diante desse suposta multa da Receita Federal, alguns clientes do investigado lhe emprestaram o valor para que, então, ele pudesse a repatriar o dinheiro supostamente investido no exterior e assim retomar os pagamentos mensais. Contudo, os investidores descobriram que o golpista não tinham nenhuma pendência com o fisco federal e nem foi multado pelo órgão.

Fuga

A Polícia Civil apurou que na primeira quinzena de março do ano passado, o investigado se hospedou em um resort na região do Lago do Manso, em Chapada dos Guimarães. Na semana seguinte, ele fugiu de Cuiabá, em um veículo Ford Ecosport. A Decon investigou que sua companheira o levou até o interior de São Paulo e o deixou na rodoviária da cidade de Presidente Prudente.

“Ele agiu dessa forma com o objetivo de escapar das pessoas que investiram com ele e que, a essa altura, já estavam conscientes de que ele não pagaria mais os juros mensais prometidos, muito menos devolveria os valores investidos”, pontuou o delegado Rogério Ferreira.

Em diligências para intimar o golpista, no ano passado, a equipe de investigação foi ao escritório onde ele trabalhava e na casa onde morava com a companheira. Pessoas ouvidas pela equipe informaram que não tinham notícias do investigado há mais de uma semana e sua companheira declarou que não sabia do paradeiro dele.

Veja também

Homem é baleado no Jardim Carolina e é socorrido ao Hospital Regional de Sorriso

Sorriso: corpo de homem carbonizado é encontrado dentro de veículo

Ex-padrasto de vítima de estupro é preso após ameaçar mãe da criança para não denunciar crime

Ação integrada da PM e PRF apreende 200 quilos de drogas em Barra do Garças

“Considero o fim da ‘saidinha’ um avanço legislativo, mas precisamos de muito mais”, afirmou a primeira-dama de MT, Virginia Mendes.

Mulher é mantida em cárcere privado e agredida pelo marido; cortou seu cabelo com facão