Polícia

Corregedoria da PM diz que soldados suspeitos de atirar em mulher podem ser exonerados

Por: Redação Publicado em 21/01/2020

A Corregedoria Geral da Polícia Militar emitiu uma nota a respeito dos procedimentos instaurados para apurar ocorrência envolvendo dois soldados da polícia militar na última sexta-feira em Sorriso.

Eles são suspeitos de terem agredido um casal que estavam sentados em um banco e terem atirado contra a cabeça da mulher, identificada como Elizângela de Moraes, de 44 anos.

A princípio, houve a informação de que teria ocorrido uma confusão próximo a um bar e que os policiais teriam disparado acidentalmente. Porém, câmeras de segurança flagraram o momento em que o casal estava sentado em um banco e possivelmente os dois policiais, passam à paisana, se aproximam do casal e um deles dá um tiro, enquanto o outro agride o casal com tapas o policial volta e atira novamente contra a mulher à queima roupa. A mulher então, cai ao solo.

VEJA O VÍDEO:

https://youtu.be/lsl_ZpCNPyQ

Eles foram presos em flagrante pela Polícia Militar e autuados em flagrante pela Polícia Civil. A juíza Emanuelle Chiaradia Navarro Mano, da 1ª Vara Criminal de Sorriso, manteve a prisão dos mesmos. Os dois estão presos na unidade militar local. A Corregedoria da PM foi informada do ocorrido. Além de responder na justiça comum, os dois policiais irão responder processo administrativo no âmbito da Polícia Militar e poderão ser exonerados da função.

CONFIRA A NOTA DA CORREGEDORIA GERAL DA PM:

“A Corregedoria Geral da Polícia Militar informa que embasados das novas informações levantadas e das imagens que chegaram ao conhecimento da PM deverão ser instaurados dois procedimentos relacionados à ocorrência registrada em Sorriso (420 km de Cuiabá) na noite de sexta-feira (17.01), envolvendo dois soldados, na qual um homem foi agredido e uma mulher ferida a tiros na cabeça. 

Diante da gravidade dos fatos, os procedimentos a serem instaurados deverão ser de natureza demissória fins avaliarem a permanência de ambos nas fileiras da Instituição.

A Corregedoria reforça que a prisão em flagrante dos dois soldados assim como apreensão da arma usada foram efetuadas pela Polícia Militar em ação coordenada pelo comandante da unidade local, assim como a entrega deles na Delegacia de Polícia Civil para que pudessem ser autuados em flagrante delito de crime comum. Os dois policiais estavam em horário de folga, não no exercício da atividade policial”.

Enquete. Participe!

Em sua opinião, quais secretários do governo Ari Lafin devem continuar na próxima gestão?
(É possível votar em mais de um)