Familiares são presos por descumprir medida protetiva e roubar dinheiro de idosa em Sorriso

Nesta quarta-feira, 30 de agosto, familiares de uma moradora de Sorriso, no Mato Grosso, foram presos em flagrante pela Polícia Civil após descumprir medida protetiva e por embaraçar a atuação de agentes fiscalizadores. A ação ocorreu no âmbito de um caso que envolveu abuso sexual, violência patrimonial e apropriação indevida de valores por parte dos acusados.

A equipe do Núcleo de Atendimento a Mulheres, Idosos e Crianças da delegacia local realizou uma investigação que revelou que a filha da idosa se apropriou de aproximadamente R$ 175 mil da vítima ao pegar os cartões bancários dela e começar a movimentar a conta bancária da mãe. Além disso, o genro, a filha e outros dois familiares da vítima são suspeitos de denunciação caluniosa e de tentar impedir a atuação de agentes da Secretaria de Assistência Social do município que estavam prestando atendimento à idosa.

A história começou quando a idosa, de 82 anos, procurou a Delegacia de Sorriso no início de agosto e solicitou medidas protetivas contra sua filha e seu genro, que moravam em sua residência. Ela alegou que o genro a havia importunado sexualmente e que ambos eram usuários de drogas. Além disso, a filha passou a se apropriar dos proventos de pensão e aposentadoria da mãe, usando o dinheiro para benefício próprio, chegando até mesmo a reter documentos e cartões de crédito.

Após a solicitação da medida protetiva, a filha, o genro, o neto e sua esposa receberam a decisão judicial de se manterem afastados da residência e não manterem contato com a vítima. No entanto, em 30 de agosto, uma equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) visitou a idosa para acompanhamento e descobriu que a filha e o marido ainda estavam ocupando um dos quartos da casa, mesmo contra a vontade da idosa.

Ao perceber a presença dos agentes, a esposa do neto da vítima se mostrou agressiva e desdenhosa, acusando a idosa de ser mentirosa e fingida. O neto também agiu de forma intimidadora. Posteriormente, o rapaz levou a avó à delegacia e a pressionou a registrar um boletim de denunciação caluniosa, alegando que não havia sofrido importunação sexual e nem violência patrimonial por parte da filha e do genro. O neto também convenceu a avó a solicitar a retirada das medidas protetivas de urgência.

Diante dessa situação, a delegada Jéssica Assis, com base nas informações do relatório da equipe da assistência social, realizou uma diligência na casa da idosa. A vítima confirmou os fatos que havia mencionado quando solicitou a medida protetiva, afirmando que a filha a impedia de ter acesso aos seus cartões pessoais e gastava o dinheiro dela sem seu consentimento. A investigação policial confirmou que a filha havia transferido todo o dinheiro, incluindo um alto valor de um empréstimo, para sua própria conta bancária.

Durante a oitiva da vítima na delegacia, a filha e o genro compareceram ao local e receberam voz de prisão. A delegada destacou que o caso evidencia manobras da família para manipular e silenciar a idosa, tornando-o um exemplo grave de abuso contra idosos.

A filha, o genro, o neto e sua esposa foram presos em flagrante pelos crimes de descumprimento de medida protetiva, embaraçamento à atuação de agente fiscalizador e desacato. A autoridade policial solicitou ao Poder Judiciário da Comarca de Sorriso a prisão preventiva do genro e da filha da vítima. A Justiça deverá decidir sobre a medida nos próximos dias, enquanto os acusados permanecem detidos à disposição da justiça.

Veja também

Tayane Cáttely é a primeira entrevistada da série Semana da Mulher na Voz do Povo

Ótica Dillane presenteia clientes com perfumes importados no mês da Mulher

Sorriso: gerente de empresa é preso por suposto desvio financeiro e lavagem de dinheiro

Corpo é encontrado em plantação de milho em Lucas do Rio Verde ; PJC investiga

Boa Esperança do Norte: homem é detido com garrucha após denúncia de que teria incendiado residência

Sorriso: PJC busca prisão preventiva de suspeito de autoria do homicídio no Nova Aliança