Gerente de posto é preso por vender gasolina adulterada em MT

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

Policiais da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon) e fiscais da Agência Nacional do Petróleo (ANP) flagraram, na manhã desta quarta-feira (09.03), um posto comercializando etanol e gasolina comum adulterados. O estabelecimento está localizado no loteamento Construmat, no bairro o Ponte Nova, em Várzea Grande.

As equipes analisaram o etanol combustível vendido pelo posto e constataram indícios de adulteração pela adição de 1% a mais de água, além do que é permitido pela legislação. Conforme a Resolução 19/2015, da ANP, o limite máximo de água no etanol é de 7,5%, mas o posto estava comercializando o produto com 8,5% de água.

No estabelecimento, os policiais e fiscais analisaram a gasolina comum, armazenada em dois tanques, e verificaram que no primeiro tanque a gasolina apresentava 60% de etanol combustível na sua composição, enquanto no segundo reservatório, a gasolina comum tinha 70% de etanol em sua composição.

A Resolução 807/2020, da ANP, determina que a gasolina deve ter 27% de etanol combustível na sua composição, sendo que a venda do produto fora das especificações legais lesa o consumidor que opta por abastecer com gasolina, mais cara que o etanol e rende mais, além de causar o desgaste prematuro de peças e problemas mecânicos no automóvel.

O gerente do posto foi preso em flagrante e conduzido à Delegacia do Consumidor, em Cuiabá. Ele vai responder por crime contra a ordem econômica, com pena de até cinco anos de prisão e multa.

Na delegacia, o gerente declarou que trabalha no posto há cerca de quatro anos, mas, mesmo assim, não sabe dizer o endereço e nem o telefone do dono da empresa. Ele acrescentou que quase não encontra o proprietário e entrega70 os valores obtidos com a venda de combustíveis para um homem conhecido apenas por “Negão”. Contudo, declarou que também não sabe informar o nome completo, endereço ou o número de telefone dessa pessoa, levando a Polícia Civil a acreditar que o posto de combustível possa estar em nome de um “laranja”.

Os fiscais da ANP ainda localizaram um tanque oculto no posto. Três tanques foram lacrados e a empresa foi autuada por cinco motivos, como, por exemplo, combustível em desconformidade com as especificações legais e a ostentação de bandeira não cadastrada na agência reguladora, com multa que pode chegar aos R$ 5 milhões de reais.

Maninho Veículos
LCI Telecom
Programa Estação Sicredi

Veja também

Em Lucas: criminosos tentam furtar agência bancaria e fogem antes da chegada da polícia

GEFRON E COD-GO

Forças de Segurança de MT e Goiás apreendem 25 quilos de cocaína na divisa entre os dois Estados

10fb624f03cb0430e9190be65c04940e

PF deflagra operação e procura dois traficantes de cocaína em Cuiabá

12053444_6768e1ea8a

Homem agride esposa e acaba esfaqueado por ela em MT

Viaturas novas (3)

Polícia Civil esclarece homicídio em barbearia de Guarantã do Norte e indicia autores

MULHER-ESFAQUEADA-MARID

Homem esfaqueia vizinho ao flagrá-lo tendo relação sexual com sua esposa em MT