Geral

Inclusão social

Mato Grosso implanta carteirinha do autista

Por: Governo de Mato Grosso Publicado em 23/10/2020

O governador Mauro Mendes e a primeira-dama Virginia Mendes entregaram na última sexta-feira (16) a Carteira de Identificação do Autista (CIA), para crianças e adolescentes diagnosticados com Transtornos do Espectro Autista (TEA). A solenidade foi realizada no Palácio Paiaguás e a primeira remessa de carteiras impressas foi entregue pessoalmente para cerca de 20 pessoas com o transtorno, entre crianças e adolescentes.

A primeira-dama é madrinha da causa e relembrou que a carteirinha foi uma das primeiras demandas que recebeu dos pais e das associações que atendem pessoas com autismo. O trabalho de emissão será realizado por intermédio da Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Setasc), de forma gratuita, nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras). O prazo para a confecção é de até 30 dias.

“Sempre reforço que inclusão é uma das minhas prioridades. E também teremos em breve, por meio do programa ‘Ser Inclusivo’, um cartão com benefícios para as pessoas com deficiência, melhorando o acesso a alimentação e outros itens de primeira necessidade. Parabenizo aqui a psicóloga e grande batalhadora da causa, Érica Barbieri, pelo seu projeto Autismo na Escola e por todas as lutas que sempre liderou em prol dos autistas. É muito linda a história de superação da Érica e da sua família. Me sinto honrada em ser madrinha desta ação”, disse Virginia.

De acordo com o governador Mauro Mendes, a iniciativa representa um gesto de respeito às diferenças e uma garantia de oportunidade para todos. “Lamentavelmente a sociedade não entende as características diferenciadas que alguns cidadãos têm. Muitas vezes isso gera transtornos e tira dessas crianças o direito de convívio entre todos nós. Neste sentido, o Estado vem olhando para todos os segmentos com carinho e atenção devida”, afirmou Mendes.

O documento tem validade de cinco anos e será entregue nos 141 municípios de Mato Grosso para facilitar o acesso a lugares públicos e privados de forma prioritária para pessoas diagnosticadas com autismo.

Representando os autistas, Enã Rezende, que tem autismo, superou as barreiras do preconceito, do transtorno e hoje em dia é médico. Ele relatou que a formação de filas em ambientes fechados ou aglomerações é algo que incomoda muito e que o documento auxiliará no acesso aos lugares de maneira mais tranquila.

“Este é um grande passo na luta pela inclusão em nosso país. Há situações em que passamos muito tempo em filas e isso causa muito incômodo para a gente, podendo desencadear uma crise sensorial, hipersensibilidade ao som e toque, que muitos autistas apresentam”, explicou.

Foto: Jana Pessoa

Conforme a legislação, o requerimento deverá ser preenchido e assinado pelo interessado ou por seu representante legal, acompanhado de relatório médico, confirmando o diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA) com a CID -10 F84, de seus documentos pessoais, bem como dos de seus pais ou responsáveis legais (certidão de nascimento ou carteira de identidade e CPF) e comprovante de endereço, em originais e fotocópias.

No caso de pessoa estrangeira autista, naturalizada ou domiciliada no Estado de Mato Grosso, deverá ser apresentado título declaratório de nacionalidade brasileira ou passaporte.

A lei de nº 10.997 que prevê a emissão e distribuição desta carteira é de autoria do deputado estadual Sebastião Rezende.

“Fomos tocados pelas famílias e associações da pessoa com autismo quanto à importância de obter a carteirinha. Em muitas situações elas não são notadas. A identificação é extremamente importante e servirá também para o cadastramento em benefícios e políticas públicas na área da educação e saúde. A expectativa é de que em dois anos todos os autistas sejam cadastrados”, destacou o deputado, que enalteceu o empenho da primeira-dama assim que soube que a lei tinha sido aprovada.

Também participaram da solenidade os secretários Gilberto Figueiredo (Saúde), Mauro Carvalho (Casa Civil), Marioneide Kliemaschewsk (Educação) e a secretária adjunta de Direitos Humanos da Setasc, Salete Morockoski.

Enquete. Participe!

Em sua opinião, quais secretários do governo Ari Lafin devem continuar na próxima gestão?
(É possível votar em mais de um)