Mesmo cidades com alto risco retornarão aulas presenciais, garante secretário de Estadual de Educação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook

O secretário de Estado de Educação Alan Porto afirmou que mesmo as cidades com classificação de risco muito alta de contágio pela covid-19 retornarão as atividades escolares no sistema de ensino híbrido.

Conforme o gestor, os municípios que se enquadrarem nesta classificação funcionarão de forma diferente das demais cidades. Atualmente, o plano retorno prevê 50% da capacidade total, mas para os casos de contágio muito alto as turmas funcionarão com 30%.

Ao Jornal do Meio Dia, o secretário disse que o retorno das atividades cumpre lei aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, que tornou a Educação como sendo prioritária no estado.

Porto frisou, contudo, que em todas as unidades o Estado adotará uma série de medidas de biossegurança que reforçarão o controle das atividades, a fim de evitar contágios pelo coronavírus na comunidade escolar.

“Nos municípios que tiverem a classificação muito alta, vamos levar em consideração o decreto, mas temos que respeitar a legislação que foi aprovada. E nesses casos funcionar em 30% da capacidade total”, disse o secretário.

“Nós estamos funcionando hoje com 50% da capacidade, mas tem uma lei que torna a Educação como atividade essencial e temos que respeitá-la e no caso dos municípios funcionar com até 30% da sua capacidade”, reiterou.

Ao Jornal, Porto afirmou que o Estado planeja adotar um plano de contingência caso haja suspeita de contágio pela covid-19. O secretário explicou que a estratégia preventiva reúne a testagem da bolha de relacionamento dos casos suspeitos e, caso confirmada infecção, o isolamento das pessoas infectadas.

“Quer dizer, dentro da sala se algum aluno ou professor tiver sintomas, isola-se e é feita a testagem. Ele é dirigido para uma unidade básica de saúde. É feita a testagem de todos e o monitoramento”, apontou.

“Aí você monitora aquelas crianças ou professores que tiveram contato com outros estudantes de outras turmas. É feito o isolamento durante 14 dias e assim a gente vai tocando as atividades dentro da sala de aula”, finalizou.