(66) 3544-2595

Telefone

(66) 99634-6964

WHATSAPP

Município buscará reunião com o Estado para debater flexibilização a partir da realidade local

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Os secretários Estevam Calvo (Administração), Cláudio Oliveira (Desenvolvimento Econômico), o procurador jurídico Daniel Melo, o presidente da Câmara de Vereadores Leandro Damiani, vereador Marlon Zanella, presidente da OAB/Sorriso, Fernando Marcarello; da Aces, Sávio Zaniollo; da CDL, Paulo Silvestro; diretor do Procon, Robson de Moura e comandante da Polícia Militar/Sorriso, coronel PM Jorge Almeida, estiveram reunidos nesta manhã (04) em videoconferência com o promotor Márcio Florestan Berestinas e o juiz Anderson Candiotto, para debater as novas regras impostas pelo decreto estadual n.º 836 para combater a disseminação do SARS-COV-2. O decreto passou a valer ontem (03).

Estevam pontua que na reunião todos os representantes de entidades frisaram a necessidade da flexibilização dos horários para abertura de mercados, restaurantes, conveniências, lanchonetes e similares. O presidente da Câmara, Leandro Damiani, lembrou que o decreto estadual prevê o fechamento às 19 horas sem circulação de pessoas a partir das 21 horas. “Essa situação leva em consideração a distância e o trânsito de Cuiabá e em Sorriso vivemos outra realidade”, diz o vereador.

Conforme o secretário Estevam, o promotor Márcio Florestan sugeriu que o município busque o Estado para detalhar condições como essa. “Vamos entrar em contato ainda hoje com o Estado para ver quais são as possibilidades nesse sentido. Para isso também vamos apresentar os dados de quando Sorriso praticou o toque de recolher a partir das 22 horas por trinta dias, período em que os números de contágio diminuíram. Esse é um da do técnico importante para trabalharmos qualquer tipo de flexibilização”, relata.

“Nós estamos junto com o Governo do Estado, diminuir os casos e riscos de contaminação é uma preocupação conjunta de todos os poderes e da sociedade. Vamos juntos, de forma diplomática, buscar uma solução satisfatória para todos”, salienta Estevam.